Review:”Gomorra” de Matteo Garrone, por Pedro Pacheco

Vencedor do Grande Prémio do Festival de Cannes 2008

Nápoles, Itália. Através de cinco histórias de vida, este filme relata o dia-a-dia violento e sem esperança de gente pobre e vergada ao jugo da “Camorra”, um “monstro” invisível mas todo poderoso, uma organização criminosa que controla interesses tão diversos como a droga, a prostituição,  e até negócios legais. A sua estrutura de pequenos grupos que se enfrentam brutalmente para se subjugarem uns aos outros dificulta a tarefa da polícia em identificar os cabecilhas, e perpetua o seu domínio através do terror. E nem os seus próprios integrantes escapam à extrema dureza que caracteriza a “Camorra”: raro é o que chega aos 40 anos…

A Máfia siciliana sempre foi fonte generosa de histórias que chegaram ao grande ecran. O seu maior e melhor exemplo será o da trilogia “O Padrinho“. Mas pouco se tem falado da sua “irmã”, a “Camorra” napolitana, que se destaca pela extrema brutalidade de métodos e enormes lucros, nascida que é de um meio pobre e degradado, onde as poucas opções de vida levam inevitavelmente ao crime. O jornalista Roberto Saviano investigou este “polvo”, e fez descobertas incríveis que geraram um livro apaixonante, um best-seller que acabou por o condenar a um exílio secreto, afim de evitar que as ameaças de morte que recebeu se concretizassem.

É deste livro que nasce “Gomorra“, um filme duro e exigente para com o seu espectador. Destituída de artifícios visuais ou estilísticos, assumindo em seu lugar uma estética documental invulgarmente realista, esta película ilustra com convicção e pungência a conjuntura de miséria humana e violência quotidiana que gera e alimenta um estilo de vida onde a “fraqueza” dos sentimentos é pura e simplesmente intolerável.

O realizador Matteo Garrone domina com maestria as cinco narrativas paralelas que ilustram várias perspectivas possíveis da vivência dos napolitanos, desde os jovens atraídos para uma vida que é a única alternativa que vislumbram, até ao veterano que começa a compreender o erro do seu caminho. Surpreendendo pelo alcance da influência da “Camorra” em campos de actividade tão díspares como o tratamento do lixo ou a alta costura, “Gomorra” mostra, através do seu mosaico, o funcionamento deste autêntico submundo, tão desconhecido para uns, como omnipresente é para outros.

Não existe qualquer introdução em termos de enquadramento, que vai surgindo através da observação das várias vinhetas. “Gomorra” exige atenção e empenhamento do espectador, que se vê assim emergido num mundo que provavelmente lhe será estranho, para depois entender que é dessa invisibilidade que é gerado o poder destes criminosos. Desde a sua sequência inicial, que estabelece o tom da narrativa, até ao pessimismo inevitável da sua conclusão, “Gomorra” tem tempo para emocionar, e também mostrar uma realidade brutal que urge enfrentar.

Mais haveria porventura a dizer, mas este filme fala por si próprio. É, por isso, imprescindível, e uma excelente opção para quem quer deixar os blockbusters de lado por um tempo, e ver como o cinema pode ter outras vertentes para além do simples entretenimento.

Realizador: Matteo Garrone

Duração: 136 min.

Classificação:

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: