Emmy 2008: Melhor Drama

É a categoria mais esperada da noite e, por incrível que pareça, aquela que mais dúvidas levanta e aquela onde se poderá vislumbrar a maior surpresa da noite… Os nomeados são:

  • Boston Legal
  • Damages: Sem Escrúpulos
  • Dexter
  • Dr. House
  • Perdidos
  • Mad Men

Para começar, vamos excluir duas séries que, apesar de serem (muito provavelmente) as mais justas vencedoras da categoria, não têm grandes hipóteses: Dexter e Perdidos.

Dexter (Episódios em consideração: “Waiting to Exhale”; “An Inconvenient Lie”; “The Dark Defender”; “Resistence is Futile”; “Left Turn Ahead”; “The British Invasion”)

Dexter conseguiu o que muitos consideravam impensável: ter uma segunda temporada que conseguiu suplantar a sua temporada de estreia. A série conseguiu alcançar um patamar de genialidade que poucos produtos televisivos se podem orgulhar de ter passado. E acredito que alguns membros do júri se sintam bastante surpresos com a qualidade de Dexter, especialmente nos três primeiros episódios submetidos a consideração (os 6 episódios são divididos em três duplas, que são enviados a diferentes membros da Academia). Mas não nos podemos esquecer de uma coisa: esta nomeação é a maior vitória que a série de Michael C. Hall poderia receber este ano. Sejamos honestos: alguém esperava mesmo ver Dexter entre os nomeados dos Emmys, especialmente depois de ter sido reportado a fraca adesão dos jurados a “The Dark Defender” (que, juntamente com o voto popular, garantiu a nomeação)? Dexter merece levar o prémio, mas não o vai fazer porque caiu completamente de pára-quedas neste grupo. Para além disso, existe outro factor a ser tido em consideração, que irei fazer referência mais à frente neste texto…

Perdidos (Episódios em consideração: “The Beggining of the End”; “The Constant”; “Ji Yeon”; “There’s No Place Like Home: Parts 1, 2 & 3″)

É incontestável este facto: Perdidos teve uma das suas melhores temporadas (para alguns, talvez a melhor temporada) de sempre. Com o tempo a escassear e com a necessidade de dar um rumo certo à série, Carlton Cuse e Damon Lindelof entregaram 14 episódios cheios de tensão, acção, drama e novos desenvolvimentos, recordando por que razão Perdidos é uma das melhores séries da televisão e por que razão ganhou o Emmy de Melhor Drama em 2005. E é pegando neste último argumento que vou tentar explicar por que razão Perdidos não vai ganhar este ano. Um pouco como o que aconteceu com Dexter, a nomeação da série não era um dado adquirido. Tinha mais hipóteses do que a série sobre o serial killer, mas isso não era garantia nenhuma. Mas a sensação de que a série se voltou a encontrar e o fenomenal episódio “The Constant” foram suficientes para fazer com que a série caísse nas boas graças do júri. Mas, num ano em que Mad Men e Damages geram o maior burburinho para a cerimónia de hoje a noite, será possível acreditar que o Emmy vai cair nas mãos de uma série que, a cada dia que passa, se assume como uma espécie de série de ficção científica? O mais certo é termos de esperar mais dois anos (justamente, no ano final da série) para voltarmos a ver os sobreviventes do vôo 815 da Oceanic ao subir ao palco para receber este prémio novamente…

Seguimos para duas séries que parecem ser as maiores e mais seguras apostas para a noite de hoje: mas será que o mais acertado é em apostar duas séries da televisão paga? É que não nos podemos esquecer que este ano foi a primeira vez que as produções do cabo (excluindo a HBO) foram reconhecidas pelos Emmys nesta categoria. Damages, Dexter e Mad Men entraram para a história da Academia por causa disso mesmo. Mas será que o júri (muitas vezes, demasiado conservador…) está disposto a continuar a escrever uma nova história na cerimónia deste ano? Muito sinceramente, não me parece…

Damages: Sem Escrúpulos (Episódios em consideração: “Pilot”; “Jesus, Mary and Joe Cocker”; “Sort of Like Family”; “I Hate These People”; “There’s No ‘We’ Anymore”; “Because I Know Patty”)

Damages tinha de figurar nesta lista. Não sendo a bomba considerada por muitos, é uma série de grande qualidade, que teve aqui um início promissor. E, mais importante do que isso, os produtores conseguiram fazer o mais difícil: escolher seis episódios que façam jus à série de Glenn Close. Enviar os dois primeiros episódios juntos é uma jogada perfeita para deixar os votantes que tiveram acesso a essa dupla de episódios surpreendidos com a qualidade da série; os jurados que foram contemplados com o DVD formado por “Sort of Like Family” e pelo antepenúltimo episódio da série irão ficar rendidos às interpretações de Ted Danson e de Zeljko Ivanek (e do restante elenco); e aqueles que assistirem aos dois últimos episódios da série terão uma visão clara do mistério por detrás do caso contra Frobisher. Mas a própria estrutura contínua da série poderá ser um empecilho no seu caminho, já que muitos jurados se poderão sentir perdidos no meio da história. Para além disso, se a Academia quiser mesmo fazer história nesta categoria, Mad Men é o tipo de série que irá fazer as delícias de muitos…

Mad Men (Episódios em consideração: “Smoke Gets In Your Eyes”; “5G”; “The Hobo Code”; “Long Weekend”; “Nixon VS. Kennedy”; “The Wheel”)

É a aposta segura. Vencedora do Globo de Ouro (que, na maior parte das vezes, não significa coisa nenhuma nos Emmys…), Mad Men tem o hype necessário que poderão fazer dela a vencedora da noite. E não nos podemos esquecer as características dos membros do júri: homens já de uma certa idade que viveram a época retratada na série. E essa sensação de nostalgia é uma das maiores qualidades de Mad Men, ao recriar detalhadamente os anos 60. E, tão ou mais importante do que isso tudo, temos de ter em consideração os episódios seleccionados pelos produtores. À excepção de “Smoke Gets In Your Eyes”, todos os outros são o mais perfeito exemplo da qualidade inegável da série, e que fazem dela uma das melhores séries do momento. Uma qualidade técnica surpreendente aliada aos (alguns dos) guiões mais bem escritos da televisão, interpretados por um elenco extremamente competente, poderá resultar na vitória de um Emmy esta noite. A única coisa que Mad Men tem contra si é o facto de ser transmitida por um canal do cabo que não se chama HBO…

Sobram-nos duas nomeadas, talvez as mais clássicas do grupo. Por incrível que pareça, Dr. House e Boston Legal preparam-se para um mano-a-mano pelo título de melhor série dramática.

Dr. House (Episódios em consideração: “Alone”; “97 Seconds”; “Ugly”; “Frozen”; “House’s Head”; “Wilson’s Heart”)

Entre as duas, Dr. House é, claramente, a justa vencedora. Mesmo tendo uma temporada um tanto ou quanto fragilizada devido à greve e à sua nova estrutura, David Shore conseguiu encontrar seis episódios que não são nada menos do que perfeitos. Cada um deles é o mais perfeito exemplo da qualidade de Dr. House e mostram tudo aquilo que a série tem a oferecer para ser considerada a melhor dentro do seu género. E o facto de ser um procedural de qualidade (apesar de algumas histórias presentes ao longo dos episódios) não irá, de certeza, afectar as suas chances. E sejamos honestos: quem assistir a “House’s Head” e “Wilson’s Heart” irá esquecer todas as outras nomeadas e colocar Dr. House em primeiro lugar no seu boletim de voto… Mas nem tudo é abonatório para Dr. House: não consigo acreditar que a série ganhe este prémio antes de Hugh Laurie ser agraciado com um Emmy pelo seu trabalho. E como Laurie não tem a vida facilitada este ano, o meu palpite é que Dr. House se irá tornar na nova 24: receber os dois prémios pela sua quinta temporada. E assim chegamos a Boston Legal

Boston Legal (Episódios em consideração: “The Chicken and the Leg”; “Mad About You”; “Tabloid Nation”; “The Mighty Rogues”; “The Cour Supreme”; “Patriot Acts”)

Por mais dramáticos e delicados que sejam os casos defendidos pelos advogados da Crane, Poole & Schmidt, David E. Kelley nunca vai conseguir camuflar a verdadeira identidade de Boston Legal: é uma dramédia que deveria estar a competir nas categorias de comédia. E quer-me parecer que essa é a razão principal por a série ser tão odiada por esse mundo fora, o facto de estar a retirar a vez a séries mais merecedoras desta honra (não me quer parecer que alguém duvide mesmo da qualidade final do produto…). Mas se eu próprio penso assim, por que razão defendo a sua vitória hoje à noite? Porque David E. Kelley sabe do que o júri gosta. Não é à toa que James Spader já ganhou três Emmys por este papel, que William Shatner já subiu ao palco duas vezes graças a Denny Crane, que até Christian Clemenson já tenha recebido um Emmy. E isto sem falar em todas as outras vitórias garantidas ao longo dos anos pelas séries de Kelley. Ele (um argumentista portentoso) sabe escrever da melhor maneira episódios que possam convencer os jurados de que a sua série é a melhor. Para além disso, vamos considerar mais dois pontos: num ano de eleições, não seria uma loucura ver uma das séries mais políticas da actualidade a ser presenteada com este prémio; se a Academia quiser entregar o prémio a Boston Legal vai ter de ser apenas este ano. A série tem apenas mais uma temporada pela frente, e não me parece que o júri vá acrescentar o nome de Boston Legal à lista das séries dramáticas a vencer o principal prémio da noite pela sua última temporada (isso apenas aconteceu uma vez em 60 anos de Emmy e foi no ano passado, com Os Sopranos)…

Parte de mim (que deverá estar de acordo com quem acaba de ler estas palavras) diz-me que estou completamente errado e que nada disto vai acontecer. Contudo, uma outra parte mais lógica dentro de mim ainda não esqueceu o choque das vitórias de James Spader, Ricky Gervais e Katherine Heigl no ano passado. E entre ser surpreendido pela negativa e ser surpreendido pela positiva, acho que prefiro a segunda opção…

QUEM VAI GANHAR: Boston Legal

Anúncios

6 Responses to Emmy 2008: Melhor Drama

  1. Pipo diz:

    A minha preferência vai para House. Aquele final de temporada foi do melhor que já se viu.

  2. DNL diz:

    Não concordo. Isto parece estar feito para Mad Men. Se votassem conscientemente ganhava Lost, quer pelo que é, quer pela temporada fabulosa que teve.

  3. MJNuts diz:

    Ai a dor de escolher só uma… Lá se tem de manter a fidelidade a Lost… 😛 Mas Dexter é TÃO bom…

  4. Ricardo Leal diz:

    Nunca gostei de Lost. O justo merecedor é Dexter e o resto é letra meus senhores. Não posso falar de Mad Men porque só vi 3 episódios, mas esses 3 episódios fizeram-me dormir, portanto…

  5. LOST teve efectivamente uma grande temporada… Se ganhasse era um justo vencedor!

  6. vitoscano diz:

    Dr house

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: