Review: Dr. House – Que Sera Sera (6/24)

 

  • Episódio: Que Sera Sera (6/24)
  • Temporada: 3ª temporada
  • Canal: FOX Portugal
  • Primeira exibição em Portugal: 08 de Fevereiro de 2007
  • Primeira exibição nos E.U.A.: 07 de Novembro de 2006

Neste episódio de House lidamos com o preconceito em relação às pessoas gordas. Se és gordo tens de ter o colesterol alto, se és gordo tens de ser diabético, se és gordo tens de ter problemas de coração. Não é o caso de George Hagel (participação de Pruitt Taylor Vince), um homem de 300 Kgs, que os bombeiros julgaram estar morto, mas que, afinal, estava em coma. O facto de George, apesar da sua obesidade mórbida, ter valores normais é intrigante, para além de tornar o seu coma num mistério. Por essa razão, o caso é entregue a House (Hugh Laurie).

Mas House não está no hospital quando o paciente lhe é assignado. Está atrasado e com um bom motivo para isso. Vemo-lo sentado no chão de uma cela, onde passou a noite, depois de ter sido preso por Tritter (participação de David Morse), por conduzir sob a influencia de estupefacientes, com um alegre companheiro, que cantarola, despreocupado.

House é eventualmente libertado, depois de ser ouvido por um juiz e acusado de excesso de velocidade, condução sob influência, condução sem carta, posse ilegal de narcóticos e resistência à detenção. Wilson (Robert Sean Leonard) paga a caução, como seria de esperar.

De volta ao hospital, e ao caso, House e a sua equipa tentam resolver o mistério do coma de George. Temos algumas reacções mais emocionais por parte da equipa, que nem sempre são muito profissionais. Chase (Jesse Spencer) revela-se um preconceituoso em relação a pessoas gordas, não dando nenhuma sugestão útil para o diagnóstico do paciente, pois, mesmo que os sintomas não “encaixem”, a única explicação para o coma de George que ele tem é o facto de este ser demasiado gordo. A certa altura ele sugere não se fazer nada pelo paciente, House diz-lhe para, se ele não quer fazer nada, para ficar quieto e não se vê mais Chase ao longo do episódio, ausência que não é, de todo, notada.

Já Cameron (Jennifer Morrison) mostra-se extremamente empática com George, o que a leva a mentir a Cuddy, a causar danos na máquina de ressonância magnética e a drogar o paciente, que, durante a ressonância magnética acorda do coma e quer ter alta, uma vez que já se sente bem. Cameron acha que ele não deve ter alta pois ainda não descobriram o que ele tem e droga-o, o que faz com que ele desmaie à saída do hospital, partindo um vidro e levando Cameron consigo, que fica com algumas escoriações. Foreman (Omar Epps) é o único que se comporta profissionalmente.

Internado novamente, George deixa que lhe façam uma biópsia ao cérebro, para tentar encontrar um parasita, que supostamente teria entrado no seu corpo através de legumes. Durante o exame, George fica cego. Depois disso deixa de aceitar diagnósticos ou exames que se baseiem no seu peso, pois sempre fora saudável apesar de toda a vida ter tido excesso de peso. House não vai nessa conversa e, quando George se recusa a fazer um teste de resistência à glucose, vai até ao seu quarto para, literalmente, o obrigar a beber o sumo. Durante a luta que se desenrola entre os dois, House agarra na mão de George e sente algo estranho nos seus ossos. O diagnóstico: cancro do pulmão. Inóperavel. Cabe a Cameron dar a notícia a George, numa cena muito triste, em que se nota o quanto Cameron se preocupa com George (talvez por este lhe lembrar House de alguma maneira?) e em que se vê o desânimo de George ao saber o diagnóstico. Contudo a sua atitude é o mais tocante, pois, apesar de um “I’ve never smoked.” emocionado, George diz “C’est la vie”, aceitando o seu futuro.

Tritter continua a sua vingança. Depois de ver que House maltratou mais um paciente na clínica (numa cena hilariante, em que um homem se queixa de dores no braço, depois de dormir toda a noite em cima do tal braço e a sugestão de House é cortar o braço, já que o homem se recusa a dormir de costas ou de barriga para baixo), arranja um mandado de busca para a casa de House, onde encontra dezenas de frascos de Vicodin. House é obrigado a entregar as receitas para todos aqueles frascos e Wilson corrobora a sua história, dizendo que passou todas as receitas. Mesmo quando Tritter lhe mostra receitas em que o seu nome está escrito de forma diferente, Wilson mente, dizendo que, por vezes, varia a sua assinatura, mostrando assim o nível da sua amizade com House.

Na recta final do episódio há uma cena entre o House e a Cameron que, por alguma razão, não encaixei bem. O House está a tentar perceber porque é que ela se preocupava tanto com George, ao ponto de mentir e quebrar as regras e Cameron não se descose. Ficamos sem saber se foi ela que foi gorda, ou alguém próximo dela… Mas o que eu não encaixei foi o facto de ela dizer que ela própria “não [é] assim tão simples”. A Cameron nunca me pareceu uma personagem complexa. Para mim ela é completamente bidimensional e esta tentativa de adicionar profundidade à personagem pareceu-me muito forçada.

Tirando este pequeno pormenor, um bom episódio, com algum seguimento do anterior, com toda a história do Tritter, o que só valoriza a série, pois sai um pouco do formato “caso da semana” usual.

Anúncios

One Response to Review: Dr. House – Que Sera Sera (6/24)

  1. se reparares num dos episódios da 1ª temporada, talvez te ajude a encaixar essa da Cameron.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: