Review: Dr. House- “Wilson’s Heart, Part 2″ (16/16)

  • Episódio: “Wilson’s Heart, Part 2″ (16/16)
  • Temporada:
  • Canal: TVI/FOX
  • Primeira transmissão em Portugal: 9 de Junho de 2008
  • Primeira transmissão nos EUA: 19 de Maio de 2008

“You can’t always get what you want.”

Esta é a conclusão ao episódio da semana passada. Todas as perguntas deixadas em aberto em “House’s Head” encontram aqui uma resolução. Por isso mesmo, e se não viu o episódio anterior, o melhor é parar de ler esta review já aqui. Já parou? Óptimo. Se não parou, foi porque não quis, mas foi avisado. Este “Wilson’s Heart” começa exactamente no ponto em que todos desejávamos: Amber (participação de Anne Dudek) está inconsciente num qualquer hospital de Princeton e House (Hugh Laurie) e Wilson (Robert Sean Leonard) tratam de tudo para transferi-la para o Princeton-Plainsboro e curar todos os seus problemas cardíacos. Mas novas questões são adicionadas aos mistérios iniciais. Estarão House, Wilson e todos os outros em condições de tratar de alguém que lhes é tão próximo? E o que estavam, afinal, House e Amber a fazer juntos?

“Wilson’s Heart” é a conclusão emocionante e emotiva a “House’s Head”, é a despedida sentida a uma personagem que aprendemos a gostar. E essa é uma das características que diferenciam os dois episódios. “House’s Head” é caracterizado pela genialidade e pela loucura que pauta na mente do Dr. Gregory House, enquanto que “Wilson’s Heart” espelha o sofrimento de Wilson perante mais uma relação que chega ao fim, desta feita de forma fatal, denotando ainda a impotência de toda uma equipa de médicos – onde se inclui o próprio House - quando o paciente é um deles. Outro dos factores que contribui para essa diferenciação é a realização. Enquanto Greg Yaitanes assinou, na semana passada, um dos melhores episódios de sempre da série ao recorrer a inovadores planos de filmagem, Katie Jacobs (uma das produtoras de Dr. House ao longo destes quatro anos) recupera alguma da forma comum à estrutura do programa para contar esta história. Um (“House’s Head”) é claramente melhor que o outro (“Wilson’s Heart”), mas a verdade é que ambos os episódios optam por desenvolvimentos diferentes, não obstante o facto de serem escritos pelas mesmas quatro pessoas. “House’s Head” é um dos melhores episódios da série, mas “Wilson’s Heart” é a conclusão perfeita para todos os acontecimentos desta quarta temporada, sendo que, juntamente com “97 Seconds” e “Frozen”, são os melhores episódios da temporada.

Talvez outro factor que tenha criado uma certa desilusão em relação ao episódio foi a maneira como tudo foi resolvido, uma maneira, como sempre, relativamente simples. Wilson não foi traído. Talvez estes tristes acontecimentos tenham impedido essa traição, mas o que realmente se passou foi Amber ter tentando provar o quanto gosta de Wilson ao aceitar ir buscar House a um bar, visto que o namorado estava a trabalhar. O barman (participação especial de Fred Durst, dos Limp Bizkit) é uma das figuras que nos conduzirá a essa conclusão, bem como a outra que nos deixa um pouco mais reticentes: House sentia-se mesmo atraído por Amber? Até à semana passada, não nos foram apresentados quaisquer sintomas que nos fizessem prever esta situação. Tudo bem que a interacção entre os dois fosse fenomenal, mas daí a atracção física vai um grande passo. Uma história forçada por parte dos argumentistas ou um tema a ser desenvolvido na quinta temporada?

Apesar de se equacionar, como seria de esperar, a probabilidade das drogas, tudo começou com uma simples constipação. Amber, afinal, é a pessoa em quem House viu os sintomas no autocarro – o motorista foi só uma coincidência – e foram os comprimidos que andava a tomar para a gripe que fizeram com que o protagonista reparasse na gravidade do seu estado. Basicamente, o organismo de Amber não conseguiu absorver os componentes dos comprimidos, conduzindo-a a uma morte quase imediata. Independentemente dos tratamentos que levassem a cabo, não havia nada a fazer. Ninguém podia salvar Amber. Nem House, nem Wilson, nem ninguém. Amber, a nossa Cutthroat Bitch, vai mesmo morrer. Só nos resta (personagens e público) despedir dela.

É esta despedida que torna o episódio tão emotivo, que o torna tão especial. Apesar da sua personalidade, Amber, no seu leito de morte, conseguiu, surpreendentemente, tocar os seus colegas de uma maneira que raramente vimos na série, abrindo, acima de tudo, as portas para a vida pessoal de toda a equipa.

Descobrimos por que razão Kutner (Kal Penn) é tão prático e desenrascado quando se trata de fazer o melhor que sabe. Desde muito novo que o jovem médico teve de aprender a desenvencilhar-se das situações e continuar em frente, sem pensar muito nas acções passadas: quando tinha seis anos, os seus pais foram assassinados na sua loja, durante um assalto. Inevitavelmente, Kutner teve de aprender a seguir em frente, custe o que custasse.

O débil casamento de Taub (Peter Jacobson) volta a receber mais um pouco de atenção. Quer seja no início, quando o ex-cirurgião plástico representa o espectador e considera o eventual adultério entre House e Amber (talvez por já conhecer os sinais), quer seja no final, quando procura o apoio nos braços da mulher depois de um dia tão psicologicamente devastante. De certeza, mais uma história a acompanhar na quinta temporada.

Foreman (Omar Epps) pode ter perdido completamente a razão de existir no programa, mas ao menos foi bonita de se ver a sua curta cena, no final do episódio, com Chase (Jesse Spencer) e Cameron (Jennifer Morrison), em que o casal procura o amigo no seu bar predilecto para o apoiar. São momentos como estes que, por vezes, até me fazem sentir falta da velha equipa, apesar de gostar bastante das novas aquisições.

Por incrível que pareça, 13 (Olivia Wilde) é uma das pessoas que mais sente a partida da ex-colega, não conseguindo desempenhar as suas funções profissionais na perfeição. O que não deixa de ser irónico, já que a Dra. Hadley não nutre grande estima pela ex-colega. Ao contrário do que pensei ao início, 13 e Amber não tiveram qualquer tipo de ligação afectiva (que incrível que isso seria, não?); o que acontece é que 13 apercebe-se do quanto a vida é curta, especialmente no seu caso. Se bem se lembram, a mãe da jovem médica morreu devido à doença de Huntington, doença essa que é hereditária. Convencida por House, 13 faz o teste de uma vez por todas e o resultado é positivo… Será que também brevemente estaremos a dizer adeus à substituta de Cameron?

Mas quem realmente sofre com tudo isto são, como não poderia deixar de ser, Wilson e House.

Por momentos, dei por mim a perguntar o que raio aconteceu à carreira de Robert Sean Leonard. Com um desempenho tão notável em O Clube dos Poetas Mortos, não seria de esperar que tivesse conseguido uma carreira mais vistosa? Leonard é um actor fabuloso e provou-o esta semana, ao passar de sentimentos como desespero e dúvida a raiva. O desespero de Wilson perante o triste destino da namorada é penoso de se assistir. A despedida dos dois mostra o quanto cada um deles significa para o outro e o quanto se amavam. E as cenas em que vemos nitidamente o quão abalada foi a amizade entre os dois médicos chegam também a ser perturbadoras: Wilson não quer nem saber se House irá colocar a sua vida em risco para salvar Amber, a única coisa que ele quer é salvar a mulher que ama. Neste momento, e depois da melhor interpretação de Robert Sean Leonard na série, já existem pessoas a torcer pelo actor na época de entrega de prémios que se avizinha.

House é consumido o episódio inteiro pela culpa (por ter colocado Amber no autocarro) e pela impotência de não fazer nada pela mulher do amigo (e que ele também, aparentemente, deseja). Depois de um traumatismo craniano e uma paragem cardíaca, House entra, eventualmente, em coma. E é durante o coma que as grandes revelações nos são dadas, mostrando-nos um homem cansado de sofrer e que deseja uma réstia de felicidade. A última cena de Anne Dudek na série é também muito bem conseguida, tendo a actriz acompanhado muito bem Hugh Laurie ao longo do episódio, que, como sempre, deu uma interpretação sublime. O diálogo final entre House e Amber promete mudar a nossa maneira de olharmos para o protagonista da série, transformando a personagem, mais do que nunca, numa figura verdadeiramente real e humana. House quer ser feliz e não quer sentir qualquer tipo de dor, está cansado do rumo que a sua vida tomou e quer mudar essa situação; House quer remediar todo o mal que fez e restituir a sua amizade com Wilson. Amber diz-lhe que nem sempre podemos ter aquilo que queremos, já dizia o filósofo Jagger, que tantas vezes é citado na série…

No final de contas, House pode contar com o apoio de Cuddy (Lisa Edelstein), que esteve sempre do seu lado, mas não da pessoa que ele mais precisa… Será que presenciámos aqui o início do fim desta bela amizade? Será que vai ser a partir daqui que Wilson irá deixar de ser o animal de estimação favorito de House, que volta sempre ao dono, por mais espancado que tenha sido? Mais uma dúvida que só terá resposta daqui a largos meses… Ai, esta espera…

E é assim que termina a quarta temporada de Dr. House, em que as ligações entre estas personagens são analisadas quase à lupa, cruzando os seus caminhos e histórias e usando como fio condutor a morte de Amber. O que nos espera a partir daqui? Ninguém sabe. Mas o que eu sei é que a partir daqui, Dr. House não será como dantes. As temporadas anteriores também terminaram com esta mesma promessa, mas parece-me que desta vez atingimos um novo patamar. Wilson está diferente. House está diferente. Todos eles estão diferentes. A própria série parece caminhar numa nova direcção, e essa mudança parece ser obra de Amber, a eterna Cutthroat Bitch. Resta saber se essa mudança será feita da melhor maneira. Ah, maldita greve dos argumentistas que retirou as honras do horário pós-Super Bowl a estes dois episódios e que encurtou esta temporada (que terá brevemente uma review geral aqui no Hotvnews)…

MÚSICAS:

  • “Teardrop”, Jose Gonzalez
  • “Re:Stacks”, Bon Iver
  • “Light for the Deadvine”, People in Planes
  • “Passing Afternoon”, Iron & Wine

IMAGENS: Nekocat- Insane Journal

About these ads

14 respostas a Review: Dr. House- “Wilson’s Heart, Part 2″ (16/16)

  1. Ricardo diz:

    Acho que os argumentistas fizeram o melhor que puderam para dar a esta temporada o melhor fim. E olhem que ficar com 8 episódios a menos e mesmo assim dar um fim destes não é nada fácil.

  2. HBelo diz:

    Acho que este episódio abre bastantes duvidas para o que vem na 5a temporada… Desde a visível mudança em House e Wilson, uma aparente proximidade entre House e Cuddy, até a descoberta da doença da “13”… Acho que a 5ª infelizmente poderá ser a ultima tendo em conta este ultimo episódio. Vejamos… é sabido o enorme cansaço e vontade de voltar para junto da sua familia em Inglaterra de Hugh Laurie e a maneira como as coisas foram “deixadas” nesta 4ª temporada antevêem(na minha sincera opinião) que apesar das grandes audiências e da fama mundial a série esteja perto do fim… sendo esse fim a 5ª temporada. Mas espero que esteja COMPLETAMENTE ERRADO.
    Os argumentistas, depois da greve, parece que vieram mais fortes e com mais inspiração (não querendo isto dizer que antes não tinham), deixando grande expectativas para a próxima temporada que aguardamos ANSIOSAMENTE…

    Abraço

  3. Ricardo diz:

    A FOX que ponha a família do Hugh Laurie na América! Assim ficam todos contentes.

  4. Pedro Jesus diz:

    Um dos melhores episódios de House. Eu espero que não acabe na 5ª temporada.

  5. @Ricardo:
    Estes episódios, se não tivesse havido greve, teriam sido transmitidos a meio da temporada, e de certeza que a tensão entre o House e o Wilson iria marcar o resto da temporada. Como isso não aconteceu, serviram, de facto, como um excelente final para esta 4ª temporada, e deixa-nos na expectativa sobre o que virá a acontecer na 5ª temporada.

    @HBelo:
    É sabido que a vida pessoal do Hugh Laurie está a atravessar uma fase mais delicada (fazendo o paralelismo com o sucesso que está a ter profissionalmente), mas duvido que isso seja suficiente para acabar com a série. Numa altura em que é a série de ficção de maior audiência da FOX, um dos programas mais vistos dos EUA, com a crítica e o público do seu lado e numa altura em que até se fala num spin off, prevejo que ainda teremos várias temporadas de House pela frente. Mas numa coisa podemos ter a certeza: a série que conhecemos até aqui vai mudar na próxima temporada. Ou não, se os autores continurem a teimar a não saber dar consequências decentes para as suas histórias (embora a morte da Amber seja um avanço nesse aspecto)…

    E concordo: os argumentistas estiveram especialmente inspirados nesta recta final.

    Obrigado a todos pelos comentários.
    Cumps

  6. Kitt diz:

    Este episodio duplo é muito bom e o final com a morte da Amber,tocou-me profundamente. :)

  7. HBelo diz:

    @Daniel Carronha:

    Fiquei “satisfeito” com a morte de Amber porque ate ao ultimo segundo da série temi que aquilo tudo não passa-se de uma ilusão do House enquanto acordava do acidente… Desta vez os argumentistas tiveram… digamos coragem de criar impacto

    Abraço

  8. Pedro barbantes diz:

    cara….nunca oensei que um eposido de House…ou melhor….dois….iriam me trazer tanto impacto…principalmente o segundo…fiquei muito triste….eu adorava a Amber…acredito que se não acabar a série nessa proxima temporada, com certeza acaba na 6ª.

  9. [...] maus, apenas episódios menos bons. Seria nos legendários “House’s Head” e “Wilson’s Heart” que tudo ia [...]

  10. [...] Dr. House (Episódios em consideração: “Alone”; “97 Seconds”; “Ugly”; “Frozen”; “House’s Head”; “Wilson’s Heart”) [...]

  11. bruno diz:

    que dia que vai começar a 4 temporada na tv aberta na record
    por favor obrigado

  12. [...] hospital após o final do seu bromance com Wilson (Robert Sean Leonard). Este culpa-o directamente pela morte de Amber (Cutthroat Bitch para os amigos) e por mais que tente, não consegue perdoar o amigo. A amizade dos [...]

  13. Bruno diz:

    Ola, alguem pode me informar qual o episodio eh esse? quero saber pq conheço mto bem essa doença q a dra tem, a doença de huntington e queria baixar o episodio para eu assistir, quero saber como eles tratam a doença e oq falam dela

    abraços

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 35 outros seguidores

%d bloggers like this: